Edgar Allan Poe e o seu famoso poema: Disse o Corvo… “Nunca mais”

Poe recebeu nove dólares por ter escrito um dos poemas mais conhecidos de sempre, «The Raven», publicado em 1845. Faleceu com 40 anos. Donde veio «O Corvo», que impacto teve no público e no seu autor? De que fala? Ou melhor, o que “diz”? Concluo o artigo com a tradução de Fernando Pessoa, mas adianto…

Anne Sexton: Quase Regressada da Casa dos Loucos (tradução integral)

I O Senhor, Doutor Martin Gentil Senhor: Estes Bosques Despojada de Glória Dia a Dia Música Flui de Novo Até Mim Os Sinos Elizabeth Desaparecida Algumas Cartas do Estrangeiro O Papagaio de Papel Disse a Poetisa ao Psicanalista Vénus e a Arca Como Ela Os Exorcistas Onde Eu Vivo, nesta Honrada Casa do Loureiro Retrato…

Sylvia Plath: O Colosso e Outros Poemas (tradução integral)

O Jardim da Casa de Campo Dois Panoramas de uma Sala de Cadáveres Turno da Noite Semear A Partícula na Visão Hardcastle Crags Fauno Partida O Colosso Lorelei Point Shirley O Touro de Bendylaw Todos os Mortos Queridos Consequências Pessoais As Pessoas Magras Suicídio em Egg Rock Cogumelos Eu Quero, Eu Quero Aguarela de Granchester…

«Por Que Praguejava o Jovem Empregado?» por Stephen Crane

Tudo estava silencioso na pequena loja de artigos para homem. Um solitário empregado, de bigode loiro e gravata vermelha, levou a mão lânguida à testa e afastou uma madeixa pendente. Bocejou, olhando com ar sombrio para as vidraças foscas das janelas. Lá fora, o vento e a chuva rodopiaram à volta dos edifícios de tijolo…

Delmore Schwartz (1913-1966)

Delmore Schwartz nasceu a 8 de Dezembro de 1913, em Brooklyn, Nova Iorque. Em 1921, a família mudou-se para Washington Heights, no extremo norte de Manhattan. Em 1923, o pai, Harry Schwartz, abandonou a mulher Rose e os filhos, Delmore and Kenneth, mudando-se para Chicago. Os negócios familiares da geração dos avós imigrantes tinham sido…

«Nos sonhos começam as responsabilidades» por Delmore Schwartz

I Acho que estamos em 1909. Sinto-me como se estivesse num cinema, o longo braço de luz atravessando as trevas e rodopiando, os meus olhos fixos no ecrã. Este é um filme mudo, parecido com os de cinematógrafo, nos quais os actores estão vestidos com roupas ridiculamente antiquadas, e um clarão se sucede a outro,…

Lou Reed – The Raven: Nas asas do corvo

Para esta homenagem a Edgar Allan Poe, Lou Reed rodeou-se de nomes conhecidos como David Bowie, Steve Buscemi, Willem Dafoe, Kate e Anna McGarrigle, Ornette Coleman, Antony e Laurie Anderson. O álbum é uma espécie de banda sonora do espetáculo de Robert Wilson sobre a obra do escritor norte-americano e, como tal, falta-lhe a componente visual e cénica….

Poemas traduzidos de Lou Reed

Três leitores sugeriram que traduzisse as letras de Magic and Loss por acharem que o tema lhes dizia algo. Queriam perceber melhor o que era dito. Pareceu-me um desafio interessante, até porque, quando o CD foi editado, o booklet incluía as traduções em alemão, francês, espanhol e italiano, situação inédita nessa época e, tanto quanto…

Wand’rin’ Stars: Ana Isabel Rosa: Ao Encontro da Essência

Já lá vão alguns anos em que encontrei na escrita uma forma de extravasar sentimentos retidos, libertar a alma e desafogar pensamentos que germinavam na minha essência. A escrita ensinou-me a agir em plenitude, orientando-me no esforço em alcançar a verdadeira verdade que durante muito tempo retive na minha individualidade. Sem dúvida que fez surgir…

Anne Sexton: Quatro poemas

À imagem do que publiquei aqui há algum tempo, no caso de Sylvia Plath, optei agora por partilhar algumas traduções de Anne Sexton, que permanece um caso de negligência no que toca à língua portuguesa. Esta “pintora da psique”, como lhe chamaram, sempre foi a voz mais persistente da poesia confessional, falando diretamente aos leitores….

Sylvia Plath: Três poemas

Por sugestão de um leitor, o André, admirador de Sylvia Plath, coloco aqui os três poemas que ele me pediu: «Two Views of a Cadaver Room», «Suicide Off Egg Rock» e «The Stones». A tradução para português é da minha autoria, mas não posso publicar o livro inteiro, THE COLOSSUS and other poems. Antes das…

Aniversário de Stephen Crane – Maggie: Uma Rapariga das Ruas

Um homem nasce neste mundo com os seus próprios olhos e não é de todo responsável pela sua visão – é apenas responsável pela qualidade da sua honestidade pessoal. Manter-me próximo desta honestidade pessoal é a minha ambição suprema. Existe um sublime egoísmo quando se fala de honestidade. Eu, contudo, não digo que sou honesto….

Anne Sexton: A poetisa favorita de quem não gosta de poesia

No Dia Mundial do Livro, recordo uma poetisa e ensaísta norte-americana, que, apesar de ter vencido o Pulitzer em 1967, entre outros prémios, e de ser reconhecida internacionalmente, não tem qualquer livro editado em português. À imagem de muitos escritores, Anne Sexton é quase uma desconhecida entre nós. Não acho que escreva poemas públicos. Escrevo…

William S. Burroughs: “El Hombre Invisible”

O rosto de Lee, e toda a sua pessoa, pareciam, à primeira vista, totalmente anónimos. Ele aparentava ser um agente do FBI, ninguém em concreto. Mas a ausência de ornamentos, de qualquer coisa remotamente pitoresca ou barroca, distinguia e definia Lee, pelo que, ao segundo olhar, não o esquecíamos. «Os Diários de Lee», 1953. O…

Jack Kerouac – 90 anos após o seu nascimento

Jack era um escritor. Muitos dos que se autointitulam escritores, e têm o seu nome em livros, não são escritores e não escrevem. Ser um toureiro (bullfighter), que enfrenta um touro, é diferente de ser um embusteiro (bullshitter) que encena passes sem o touro à frente. O escritor “esteve lá”, ou não pode escrever. William…

Raymond Chandler: “As ruas estavam escuras e não era só da noite”

“Quando as ideias falham, as palavras são muito úteis”, disse Goethe. Raymond Chandler só “falhou” por ter sido um escritor de policiais. Mas era um escritor, ponto final. Todos os seus romances (e até alguns contos) foram adaptados ao cinema e à TV. Foi ainda argumentista, tendo trabalhado com Hitchcock. Criou Philip Marlowe, o famoso…